Implante dentário: Dentz Alphaville responde às principais dúvidas sobre procedimento

Perder um dente ou ter que extrair um que não apresente mais condições de recuperação, além de causar constrangimentos ao sorrir ou falar, também desencadeia sérios problemas funcionais na mastigação e no desalinhamento dos demais dentes. A Dentz Alphaville oferece métodos para substituir os dentes perdidos de forma indolor e rápida: o implante.

Entre os tipos de próteses disponíveis no mercado, o implante dentário é a opção mais satisfatória, já que repõe um dente perdido. Ele é feito a partir de um pino de titânio (metal leve e resistente isento de rejeição por parte do organismo) semelhante a um parafuso, que é colocado dentro do osso, na gengiva, e que simula a raiz de um novo dente.

O implante funciona como sustentação para o dente substituto (coroa) com maior estabilidade e conforto na mastigação e segurança na fala. São mais duráveis e de mais fácil adaptação do que as dentaduras ou pontes removíveis, não sendo necessário o desgaste dos dentes laterais como no caso de uma prótese fixa.

Para te ajudar na decisão, a Dentz Alphaville responde às principais dúvidas que surgem no consultório:

Preciso realizar algum exame para fazer um implante dentário?
Além de exames laboratoriais para saber a situação da saúde do paciente, como taxa de glicose ou alguma infecção em andamento, e uma radiografia panorâmica para avaliação da situação do osso que está abaixo da gengiva, o especialista pode solicitar também uma tomografia computadorizada para avaliar a altura, a largura do osso e as condições gengivais.

E se faltar osso para o implante dentário?
A perda óssea pode ocorrer quando perdemos um dente e não colocamos outro no lugar. Desse modo, o osso vai “sumindo” ao longo dos meses por um processo chamado reabsorção óssea. Nesse caso, o implantodontista terá que fazer um enxerto ósseo, antes do implante.

O enxerto pode ser realizado antes ou durante a colocação dos implantes dentários. O ideal, havendo condições, é fazer o enxerto junto com a colocação dos implantes. Assim, o tempo de tratamento para a reabilitação é reduzido.

A cirurgia de enxerto ósseo consegue ampliar a altura e a espessura do osso para que os parafusos sejam instalados com segurança. O mais indicado é o enxerto Autógeno (tecido ósseo retirado do próprio paciente). Algumas regiões da mandíbula podem fornecer tecido ósseo para pequenas reconstruções. A mais utilizada é a região posterior ao siso, chamada de ramo da mandíbula. Essa região possui quantidade óssea suficiente para a maioria dos casos.

Como é feita a cirurgia do implante dentário?
Existem dois caminhos:

Cirurgia de implante dentário tradicional: é feita no próprio consultório com anestesia local. Paciente anestesiado, o implantodontista faz uma incisão com bisturi para ter visão da área óssea onde irá colocar o implante. Com uma pequena broca, própria para este tipo de procedimento, abre espaço para colocação do pino. Pino colocado, ele faz as suturas dos bordos da gengiva para fechamento e cicatrização. Em média, uma cirurgia de implante leva até duas horas. Na cirurgia tradicional o tempo para a osseointegração e colocação dos dentes definitivos está estimado de 3 a 4 meses para a região superior e de 2 meses para a região inferior.

Carga imediata: nessa opção, feita a cirurgia de implante o paciente retorna no mesmo dia, mais tarde, para a colocação dos dentes provisórios e pode voltar para casa apenas tomando cuidado para não forçar e impactar o implante recém colocado com uma mordida mais forte. No entanto, para esse tipo de cirurgia é necessário apresentar osso em boa quantidade de altura e largura e qualidade, o que normalmente é avaliado de antemão com a tomografia.

A cirurgia dói?
O que poderia doer seria a gengiva, mas, além da anestesia local, o implantodontista costuma indicar um anti-inflamatório duas horas antes da cirurgia, e, quando o paciente volta para casa, ele indica analgésicos, um anti-inflamatório e antibiótico. Esses cuidados evitam que o paciente sofra com dor depois que passa o efeito da anestesia ou que venha a ter outro desconforto.

Pode acontecer rejeição ao implante dentário?
Não existe essa possibilidade. O titânio é um material que tem a propriedade de ser organicamente compatível, não oferecendo risco nenhum de rejeição. Explicando de maneira mais simples, como o organismo não “percebe” que o pino de titânio foi colocado, ele tenta fechar o furo feito pela broca para a colocação do implante. Quando o osso preenche esse orifício, ele trava o implante e isso é o que chamamos de osseointegração.

Um problema que pode vir a acontecer, ainda na fase inicial, é a não osseointegração. Nesse caso, o implante é retirado e colocado um novo.

Após a integração do implante e colocação dos dentes definitivos, o que pode eventualmente ocorrer são problemas periodontais, problemas na prótese ou nas peças que unem o implante ao dente.  No entanto, frisamos mais uma vez, higienização bem feita e a manutenção com o dentista com regularidade minimizam o surgimento desses problemas.

O principal de um implante dentário bem-sucedido é ter ao seu alcance todas as informações necessárias para sanar suas dúvidas e estar cercado de profissionais especializados, humanizados, em consultórios com equipamentos de ponta e procedimentos rígidos de proteção e segurança.

Dentz Alphaville
Al. Rio Negro, 161 – Alphaville – Barueri, SP
Tel.: (11) 3197-4040 e Whatsapp (11) 98842-2877
www.rededentz.com.br/alphaville

#publi

Quer mais dicas e novidades de Alphaville e arredores? Inscreva-se na nossa newsletter! É grátis! Semanalmente, você receberá os destaques do A&A no seu e-mail: https://bit.ly/2M4XhD2

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *